STJ - REsp 449134 / RS RECURSO ESPECIAL 2002/0088122-2


12/mai/2003

PROCESSO CIVIL. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. EXECUÇÃO DE TÍTULO
JUDICIAL. AUSÊNCIA DE EMBARGOS. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. CABIMENTO.
PRECEDENTES. IMPOSSIBILIDADE DE APLICAÇÃO DE MEDIDA PROVISÓRIA EM
MATÉRIA PROCESSUAL CIVIL. INTELIGÊNCIA DA EC 32/2001, QUE ALTEROU A
REDAÇÃO DO ARTIGO 62 DA CF.
A execução, seja ela de título judicial ou extrajudicial, é um
processo autônomo, a exigir atividade profissional específica, que
deve ser remunerada, tal como ocorre no processo de conhecimento.
Esta egrégia Corte Superior firmou entendimento no sentido de que
são cabíveis os honorários sucumbenciais na execução, mesmo que não
opostos embargos (EREsp n. 158.884/RS).
A aplicação de medida provisória em questão processual, enquanto não
convolada em lei é por demais temerária. Essa temeridade repercute
na insegurança jurídica em que as partes, no caso a Fazenda Pública
e o particular, ficariam sujeitas, diante da possibilidade de
rejeição da própria medida provisória ou, ainda, da não conversão em
lei.
Com o advento da EC 32/2002, que alterou a redação do artigo 62 da
Constituição Federal, ficou explicitamente vedada a edição de medida
provisória para tratar de matéria processual. Assim, impossível
adotar-se os termos da MP 2.180-35, que dispõe acerca de honorários
advocatícios, tema de índole processual.
Recurso especial provido.

Tribunal STJ
Processo REsp 449134 / RS RECURSO ESPECIAL 2002/0088122-2
Fonte DJ 12.05.2003 p. 286
Tópicos processo civil, honorários advocatícios, execução de título judicial.

Cadastre-se gratuitamente para acessar a íntegra deste acórdão  ›