Notícias

JT conclui que transportadora fraudou lei ao contratar motorista como empregado autônomo

Direito Trabalhista | 05/jul/2017

Fonte: TST - Tribunal Superior do Trabalho

A empresa de transporte e logística Gafor S.A. não conseguiu em recurso para o Tribunal Superior do Trabalho, julgado pela Quinta Turma, comprovar que mantinha com motorista relação apenas comercial, e não de emprego. A companhia tentava reverter decisão de 2ª instância que a condenou ao pagamento de verbas trabalhistas por entender que havia vínculo de emprego entre as partes, com todos os requisitos que o configuram.

A defesa da Gafor se baseou na Lei 11.442/2007, afirmando que a relação jurídica entre a empresa e o motorista era de natureza comercial e que a competência para julgar ações relativas a contratos desse tipo é da Justiça Comum. De acordo com o processo, o motorista trabalhou como empregado durante dois anos na companhia e, um dia após sua dispensa sem justa causa, adquiriu da empresa um caminhão, financiado pela própria Gafor. Após a aquisição, assinou contrato de prestação de serviços com a transportadora que o dispensara recentemente.

Autônomo

A Lei 11.442/2007 dispõe sobre o Transporte Rodoviário de Cargas – TRC realizado por conta de terceiros e mediante remuneração, em que os mecanismos de sua operação e a responsabilidade ficam por conta do transportador. Empresas, inclusive aquelas cujo objeto social seja o transporte de cargas, podem contratar motoristas autônomos para a realização dos serviços, estabelecendo-se entre eles uma relação de natureza estritamente comercial. Mas para isso o transportador autônomo de cargas deve demonstrar, por exemplo, que realiza o transporte com veículo de sua propriedade, sem qualquer interferência de quem lhe contrata os serviços; arca com as despesas da atividade e com a inscrição no Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas – RNTRC.

Fraude

Todavia, o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) entendeu que a relação existente entre a Gafor e o motorista era de emprego, condenando a empresa a pagar as obrigações trabalhistas decorrentes desse vínculo. Segundo o TRT, a existência de contrato de trabalho anterior e a aquisição do caminhão na mesma data da extinção do contrato evidenciam a fraude aos direitos trabalhistas, já que o motorista continuou exercendo as mesmas funções. Também ficaram comprovados, conforme a decisão, os requisitos previstos no artigo 3º da CLT, como pessoalidade e subordinação.

A transportadora recorreu ao TST, mas o relator, ministro Caputo Bastos, disse que não identificou na decisão do TRT-RS o enquadramento do motorista pela Lei nº 11.442. Em seu voto, o ministro reproduziu cada fundamento do Regional sobre os requisitos que configuram a relação de emprego, informando que somente poderia reconhecer o vínculo comercial por meio da modificação do quadro fático apresentado na instância ordinária, o que é vedado pela Súmula 126 do TST.

Por unanimidade, a Quinta Turma não admitiu o recurso.

Fonte: TST - Tribunal Superior do Trabalho

Imprimir
O Direito está em constante evolução. Não fique para trás.
Acompanhe as novidades que afetam seu dia-a-dia no estudo e na prática jurídica
Conheça o DireitoNet