Artigos

Da curatela

A curatela é também um munus que tem como finalidade reger a pessoa e administrar os bens em regra de maiores incapazes, afetados por enfermidade físicas ou mentais.

Direito Civil | 06/jan/2015

A tutela e curatela são institutos autônomos, mas tem um ponto em comum, ambos objetivam a proteção das pessoas incapazes, de fato e de direito, que necessitam da presença de outrem para que aja em nome delas. Tanto a tutela, quanto a curatela representam encargo público, de caráter personalíssimo.

A curatela é também um munus que tem como finalidade reger a pessoa e administrar os bens em regra de maiores incapazes, afetados por enfermidade físicas ou mentais.

Estão sujeitos a curatela:

  • aqueles que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento para os atos da vida civil;
  • aqueles que, por outra causa duradoura, não puderem exprimir a sua vontade;
  • os deficientes mentais, os ébrios habituais e os viciados em tóxicos;
  • os excepcionais sem completo desenvolvimento mental;
  • os pródigos.

O curador tem a seu cargo a gerencia dos bens do interdito, cuidará deles, perceberá seus rendimentos, agirá segundo o padrão que o direito elege, de homem de negócios honesto. O curador apresentará anualmente balanço com sua prestação de contas.

A interdição pode ser promovida pelos pais ou tutores, pelos cônjuges ou outro parente e pelo Ministério Público. Para evitar eventuais abusos e o comprometimento da dignidade do interdito a lei exige a entrevista do mesmo pelo magistrado e designará perito que o examine de forma a se convencer da necessidade da medida.

São cautelas recomendáveis, tanto mais que a interdição, posto instituída na defesa do incapaz não deixa de ser vexatória e opressiva porque retira ao indivíduo a capacidade de gerir seus bens e dirigir sua pessoa.

Imprimir
O Direito está em constante evolução. Não fique para trás.
Acompanhe as novidades que afetam seu dia-a-dia no estudo e na prática jurídica
Conheça o DireitoNet