Notícias

TST reconhece jornada de 4h e defere horas extras a advogado empregado de empresa pública

Fonte: TST - Tribunal Superior do Trabalho

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu a advogado empregado da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) o direito à jornada de quatro horas diárias e de vinte semanais, com o consequente pagamento de horas extras quando o tempo de trabalho superar esse limite. A jornada de oito horas diárias que ele exercia seria possível se houvesse previsão contratual expressa de dedicação exclusiva, o que, de acordo com os ministros, não foi comprovado pela empresa pública.

O resultado do julgamento é favorável ao recurso de revista do advogado, que é empregado da Conab em Natal (RN) e, na reclamação trabalhista, pedia o pagamento do adicional de serviço extraordinário, com o argumento de que ele deveria estar sujeito à jornada de quatro horas, prevista no artigo 20 da Lei 8.906/1994 (Estatuto da Advocacia). Conforme o dispositivo, o respeito às quatro horas não seria exigido apenas se houvesse previsão em contrário no acordo ou convenção coletiva ou no caso de dedicação exclusiva, que tem de estar expressa no contrato (artigo 12 do Regulamento Geral do Estatuto da Advocacia e da OAB).

O juízo de primeiro grau e o Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região, com jurisdição no RN, julgaram improcedente o pedido, com o argumento de que houve a adoção tácita do regime de exclusividade, pois o contrato previa jornada de oito horas diárias. O TRT ainda entendeu que, pelo artigo 4º da Lei 9.527/1997, o artigo 20 do Estatuto da Advocacia não se aplica às empresas públicas, entre elas a Conab.

A relatora do recurso de revista do advogado ao TST, ministra Maria Helena Mallmann, disse que o Tribunal Superior, ao analisar situações semelhantes, tem entendido ser inaplicável  o artigo 4º da Lei 9.527/1997 aos advogados empregados de empresas estatais exploradoras de atividade econômica em regime de concorrência, “como é o caso da Conab”. Logo, o recorrente estaria sujeito às normas de jornada do Estatuto da Advocacia.

Superado esse ponto, a ministra concluiu que o entendimento do Tribunal Regional diverge também da jurisprudência do TST quanto ao registro da dedicação exclusiva.  A partir da interpretação da Lei 8.906/1994, “esta Corte Superior tem decidido que a dedicação exclusiva de advogados empregados somente pode ser caracterizada se houver previsão contratual expressa nesse sentido”, afirmou a relatora. Como esse registro não consta do contrato firmado com a Conab, a ministra reconheceu ao advogado o direito à jornada de quatro horas diárias e de vinte semanais, além de deferir o pagamento de horas extras.

Por unanimidade, os demais integrantes da Segunda Turma acompanharam o voto da relatora, mas houve a apresentação de embargos de declaração, ainda não julgados.

Processo: RR-1048-53.2015.5.21.0003

I – AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE
REVISTA INTERPOSTO NA VIGÊNCIA DA LEI
13.015/2014.
HORAS EXTRAS. ADVOGADO EMPREGADO DA
CONAB. LEI 8.906/1994. A partir da
leitura da minuta recursal, verifica-se
a existência de possível divergência
jurisprudencial com os arestos oriundos
da SDI-1/TST e do TRT da 22ª Região.
Logo, a fim de melhor apreciar a
questão, dá-se provimento ao agravo de
instrumento para determinar o
processamento do recurso de revista.
II – RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO NA
VIGÊNCIA DA LEI 13.015/2014.
HORAS EXTRAS. ADVOGADO EMPREGADO DA
CONAB. LEI 8.906/1994. Ao analisar
situações semelhantes, este Tribunal
Superior tem entendido que o disposto no
artigo 4º da Lei 9.527/97 não se aplica
aos advogados empregados de empresas
estatais que exploram atividade
econômica em regime de concorrência,
como é o caso da reclamada. Precedentes.
Superada essa questão, passa-se ao
exame dos argumentos relativos à
existência (ou não) do regime de
dedicação exclusiva e às horas extras.
O Tribunal Regional entendeu que o autor
havia sido contratado em regime de
dedicação exclusiva com base no
seguinte argumento: “difícil compreender
como não considerar a possibilidade de dedicação
exclusiva quando um contrato celebrado sob a égide da
CLT possui previsão da carga horária máxima
permitida para o regime regular de trabalho”. Em
suma, como o contrato do reclamante
previa jornada de oito horas diárias, a
Corte a quo concluiu que houve adoção
tácita do regime de exclusividade
mencionado. Esse posicionamento,
contudo, diverge da jurisprudência do

TST sobre o tema. Com efeito, a partir
da interpretação da Lei 8.906/94, esta
Corte Superior tem decidido que a
dedicação exclusiva de advogados
empregados somente pode ser
caracterizada se houver previsão
contratual expressa nesse sentido.
Precedentes. Recurso de revista
conhecido e provido.

Fonte: TST - Tribunal Superior do Trabalho

Imprimir
O Direito está em constante evolução. Não fique para trás.
Acompanhe as novidades que afetam seu dia-a-dia no estudo e na prática jurídica
Conheça o DireitoNet