Artigos

A contagem regressiva para Suzane Von Richthofen

A real motivação da jovem que cruelmente é ré confessa pela morte dos pais.

Direito Penal | 19/jul/2006

17 de julho de 2006. Se nenhum fato extraordinário ocorrer este será o dia decisivo para Suzane Von Richthofen. E assim o será por começar um dos julgamentos mais esperados de todos os tempos.

E o sentimento de revolta que impera na sociedade brasileira não se consolidou apenas pela menina que participou do assassinato dos próprios pais, já que é ré confessa, mas sim pelas idas e vindas de seu comportamento nada convencional.

Afinal, inicialmente, a justificativa foi de que estava subjulgada aos interesses dos irmãos Cravinhos, especialmente Daniel, seu namorado na época. Depois alegou que gostaria de ter sua liberdade restituída, pois seus pais a reprimiam em demasia, e a única alternativa encontrada por ela foi “encerrar” com os problemas e ter a liberdade completa.

O fato é que de 31 de outubro de 2002, curiosamente, dia das bruxas, até o dia 17 de julho de 2006 pouca coisa irá mudar. Afinal, a liberdade tão pretendida nunca chegou. Pelo contrário, existe uma grande chance de ser condenada e permanecer presa por um longo período.

Além disso, a menina, aparentemente inocente, nunca terá acesso à herança daqueles que abreviou a vida visto que foi excluída do processo sucessório.

Então a grande pergunta sem resposta é: valeu a pena?

A resposta é uníssoma: não! Afinal perdeu a liberdade, o dinheiro e a vida que tinha pela frente. De menina de classe média alta passou a ser de presidiária. Não parece uma grande progressão.

Obrigatoriamente surge a pergunta de toda mãe faria : então por quê? Provavelmente esta resposta nem a ex-adolescente teria, todavia, seus advogados surgem com a resposta: amor!

Tudo o que ela fez foi por amor a Daniel Cravinhos. Interessante tal afirmação. Matar os próprios pais, porque ainda não tinha plena consciência de seus atos, por ser recém saída da adolescência, e querer viver um conto de fadas com seu grande amor. E o único impeditivo eram seus pais.

A única alternativa entre a felicidade absoluta era a aprovação dos pais. E estes, segundo ela, nunca dariam. Então, por amor, concordou com seu amado em retirar o “entrave” que existia entre eles.

A explicação é, no mínimo, peculiar, ainda mais vinda de uma pessoa que estudava numa Faculdade.....de Direito, ou seja, tinha a exata proporção do que estava fazendo, e mais, de quais seriam as conseqüências. E, ainda assim o permitiu, mas o fez por amor.

Analisemos então a relação amorosa de Suzane: um jovem com 21 anos na época, chamado Daniel Cravinhos, que não era do mesmo meio social da namorada, não tinha a menor chance de ser comparado financeiramente com ela, e por que não dizer, nem tinha o mesmo estudo também, afinal Suzane já estava na faculdade e ele trabalhava com aeromodelismo.

Ao mesmo tempo, o pai de Suzane um grande executivo propiciou à filha todo o conforto e oportunidades que um jovem poderia sonhar, vê sua filha se envolver com uma pessoa que não é de seu agrado e tenta, sem sucesso, dissuadir a filha de terminar a relação.

O final da disputa todos sabemos, mas um fato importante talvez tenha passado despercebido do imaginário das pessoas: a real motivação da jovem!

Neste ponto a tese da defesa caminha para sentido diverso da apresentada nas linhas abaixo.

A tese suscitada por nós não é amor a Daniel Cravinhos, mas sim a falta de amor de Suzane para com seus pais. Esta obviedade não é assim tão simples quanto parece, porque na verdade, estamos falando apenas na conseqüência. A causa foi originada pelos próprios pais de Suzane. Expliquemos.

Geralmente os pais são sempre os “culpados” pelas frustrações dos filhos, seja na vida amorosa, como na escolar, e a resposta mais comum é: ‘eles não me entendem’.

Numa família com estrutura sólida e uma unidade tais problemas são facilmente contornados, mas as mesmas questões se tornam mais delicadas quando a questão envolve dinheiro.

Pais com vidas atribuladas, que viajam muito, chegam tarde e saem cedo, às vezes não enxergam a carência de seu filho e pensam que enquanto este estiver com saúde e com dinheiro tudo estará resolvido, mas a vida não é construída apenas desses dois fatores.

O segundo problema surge quando os pais cometem um erro corriqueiro de propiciarem a seus sucessores uma vida melhor do que a que eles próprios tiveram.

Neste exato momento os jovens adquirem uma coisa muito perigosa e que não sabem lidar ainda: o poder.

Sem um mínimo equilíbrio familiar, com atenção, carinho, afeto, o jovem não tem a estabilidade emocional necessária de lidar com o poder que seus pais lhe deram, e por isso se volta contra os próprios.

Inicialmente essa ausência familiar se transforma numa carência que vai se acumulando e se transmutando em uma ira ao passo que esse jovem começa a conviver com famílias de muito menos recursos, mas muito mais felizes.

E aos jovens que não conseguem compreender como os menos ricos são mais felizes, e ao notar que seus pais não conseguem lhe dar a atenção devida, escolhem caminhos alternativos de existência, os autênticos refúgios.

Passam a conhecer o mundo das drogas, ou a realidade da depressão, ou pior, a planejar uma vingança contra os responsáveis pela sua infelicidade. Foi o caso de Suzane von Richtofen.

Quando perceberem a besteira que fizeram não existirá mais volta e só restará o que mais lhes prejudicou: o dinheiro da herança. E no caso de Suzane nem isto lhe restou.

Não haverão mais os pais para protegê-la e escondê-la da dura realidade da vida. A justiça enfim encontrará seu infrator. E a família deixou de existir. A demonstração de poder se volta contra quem o concedeu. No entanto, este é o resultado, os crimes atuais são conseqüências e não causas do problema.

Nem por isso ela deve ser absolvida. Carência não pode ser um elemento motivacional suficiente para tirar a vida de quem quer que seja, muito menos de seus pais.

Suzane provavelmente será condenada e seu futuro será o mundo prisional, isso é indiscutível e estamos de acordo com a punição, mas o desequilíbrio familiar não pode passar despercebido. Esta menina é um exemplo de revolta, infelicidade.

A conseqüência será enfrentada por ela, mas que não cause espanto aos demais, sobre os motivos da menina. Não concordamos com eles, mas apesar de injustificável, é muito mais plausível do que a morte dos pais por amor a Daniel.

A morte foi premedita e atroz, uma vingança. Se os pais foram ausentes nunca saberemos, mas é a única explicação possível. E que a pena a faça refletir sobre a besteira feita, e que sirva de exemplo aos jovens revoltados, pois sentem e conversem com os pais, mas que jamais escolham ficar sem eles. O preço é muito, muito caro!

Imprimir
O Direito está em constante evolução. Não fique para trás.
Acompanhe as novidades que afetam seu dia-a-dia no estudo e na prática jurídica
Conheça o DireitoNet