Notícias

Curador provisório poderá responder de imediato por doentes mentais em processos de interdição

Direito Civil | 28/jul/2006

Fonte: Agência Senado

O Código Civil pode incorporar alteração para permitir a criação da figura do curador provisório destinado a representar, nos atos da vida civil, pessoas que sejam interditadas em decorrência de doenças mentais. Proposta com esse objetivo (PLC 71/05) deve ser examinada em Plenário nos períodos de esforço concentrado previstos para as primeiras semanas de agosto e setembro.

Já aprovado na Câmara, o projeto visa proteger de imediato a pessoa que sofra de distúrbio mental, mediante ato que assegure rapidamente a outorga da tutela ao curador, ainda que provisória. Depois de consulta ao Ministério Público, o juiz nomeará desde logo o curador temporário que possa representar o doente, apenas com a restrição de que este não possa alienar ou onerar bens imóveis que pertençam ao interditado.

O projeto passou pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), onde foi relatado pelo senador Jefferson Peres (PDT-AM). Com as alterações no artigo 1.180 do Código Civil, o representante provisório também fica obrigado a prestar contas do exercício da curadoria em prazo designado pelo juiz.

Na justificativa à proposta, a deputada Ann Pontes (PMDB-PA), sua autora, observa que há demora na definição da curadoria pela Justiça e que a legislação é omissa com respeito à nomeação de representante provisório, enquanto os doentes precisam de assistência imediata. Além disso, lembra que muitas vezes a própria família depende, para sobrevivência urgente, dos recursos da aposentadoria por invalidez do interditado.

A petição sobre a curadoria provisória deve ser apresentada à Justiça com atestado médico da incapacidade mental do interditado, juntamente com atestado de assistente social ou de outra pessoas idônea sobre a aptidão e idoneidade do indicado para tutor para cuidar dos interesses do doente.

A previsão de emissão de atestado também por pessoas idôneas foi incluída no parecer aprovado na CCJ por emenda apresentada pelo senador Sibá Machado (PT-AC). Foram ainda aprovadas duas emendas do relator que aperfeiçoam o texto da Câmara, uma das quais para evitar confusão entre o prazo de exercício da curadoria e da prestação de conta a que estará obrigado o representante temporário.

Fonte: Agência Senado

Imprimir
O Direito está em constante evolução. Não fique para trás.
Acompanhe as novidades que afetam seu dia-a-dia no estudo e na prática jurídica
Conheça o DireitoNet