Notícias

Mantida ação penal contra ex-procurador acusado de desvio de recursos públicos em Belo Horizonte

Direito Administrativo | 07/out/2014

Fonte: STJ - Superior Tribunal de Justiça

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou recurso do ex-procurador de Belo Horizonte Antônio de Rezende Teixeira, que pedia o trancamento da ação penal a que ele responde por irregularidades no processo de implantação do Programa Olho Vivo.

O objetivo do programa era a instalação de câmeras de vigilância no centro da capital de Minas Gerais. O Ministério Público propôs ação penal contra Teixeira, o ex-prefeito Fernando Pimentel e outras quatro pessoas por dispensa ilegal de licitação e desvio de recursos públicos em proveito alheio.

O alvo da ação foi o convênio assinado entre a Prefeitura de Belo Horizonte, o Estado de Minas Gerais, a Câmara dos Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH) e a Polícia Militar. O suposto desvio teria sido de R$ 5.092.116,69.

Inicialmente, Teixeira impetrou habeas corpus, que foi negado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Recorreu então ao STJ, sustentando ausência de dolo específico (o de causar prejuízo à administração pública) e atipicidade da conduta (porque teria apenas emitido parecer sem caráter vinculativo).

Pagamento a maior

O relator do recurso, ministro Nefi Cordeiro, lembrou que somente é possível o trancamento de ação penal por meio de habeas corpus quando houver a pronta comprovação da ausência de justa causa, seja pela atipicidade da conduta imputada ao acusado, seja pela falta de indícios de autoria e materialidade delitivas, ou ainda pela incidência de causa de extinção da punibilidade.

No caso, o ministro constatou que a denúncia demonstra a existência de prejuízo ante a “clara indicação de pagamento a maior à CDL-BH”, contratada indevidamente sem licitação para a implantação do sistema de vigilância.

De acordo com a denúncia, para conferir aparência de legalidade à contratação da CDL-BH, a prefeitura deu ao instrumento de ajuste o nome de "convênio”, instituto que em tese tornaria inexigível ou dispensável a licitação, uma vez que a figura jurídica do convênio administrativo não permite a subcontratação de obras, compras e serviços com particulares, como ocorreu no caso. A denúncia ainda traz cálculos detalhados do superfaturamento que teria beneficiado a CDL-BH.

O ministro Nefi Cordeiro esclareceu que a ação penal contra Teixeira não se dá pela simples emissão do parecer jurídico, mas por ele supostamente ter usado do cargo para que o parecer facilitasse a dispensa de procedimento licitatório, permitindo o desvio de valores, com prejuízo público. “A descrição formal é adequada e permite a defesa dos acusados”, concluiu o relator.

O ministro ainda acrescentou que não é possível em habeas corpus avaliar se as provas contra o réu são suficientes, mas “tais como narrados, os fatos legitimam a persecução penal”.

Fonte: STJ - Superior Tribunal de Justiça

Imprimir
O Direito está em constante evolução. Não fique para trás.
Acompanhe as novidades que afetam seu dia-a-dia no estudo e na prática jurídica
Conheça o DireitoNet