Ação penal privada subsidiária da pública


12/fev/2016
 
Histórico de atualizações deste conteúdo
22/jan/2014 Revisão geral. Este material não sofreu alterações até esta data.
12/fev/2016 Revisão geral. Este material não sofreu novas alterações até esta data.
02/jul/2012 Publicado no DireitoNet.

Consiste na autorização constitucional (artigo 5º, inciso LIX) que possibilita à vítima ou seu representante legal ingressar, diretamente, com ação penal, por meio do oferecimento da queixa-crime, em casos de ações públicas, quando o Ministério Público deixar de oferecer a denúncia no prazo legal (artigo 46 do Código de Processo Penal). Ressalta-se que a titularidade da ação penal nesse caso não é da vítima. Uma vez oferecida a queixa pelo ofendido, o Ministério Público poderá aditá-la, repudiá-la e oferecer denúncia substitutiva, intervir em todos os termos do processo, fornecer elementos de prova, interpor recurso e, a todo tempo, no caso de negligência do querelante, retomar a ação como parte principal. Nesse tipo de ação é inadmissível a ocorrência do perdão ofertado pelo querelante (artigo 105 do Código Penal), caso contrário, o Ministério Público deve retomar o seu lugar como parte principal.

Fundamentação:

Temas relacionados:

Referências bibliográficas:

Veja mais sobre Ação penal privada subsidiária da pública no DireitoNet.

Histórico de atualizações deste conteúdo
Críticas ou sugestões? Clique aqui
22/jan/2014 Revisão geral. Este material não sofreu alterações até esta data.
12/fev/2016 Revisão geral. Este material não sofreu novas alterações até esta data.
02/jul/2012 Publicado no DireitoNet.