A violação dos Direitos Autorais na internet


16/jun/2004

Trata sobre o tema da violação dos Direitos Autorais na internet.

Por Cássio Augusto Barros Brant

Sabe-se que “um website tem três elementos suscetíveis de serem protegidos mediante o direito autoral: a informação que contém, o projeto gráfico e o código-fonte”.

“A atual Lei de Direitos Autorais, de nº 9.610/98, sem dúvida já prevê a proteção do meio eletrônico de transmissão ou emissão de informações, de que a Internet é o exemplo mais contundente. Segundo seu artigo 5º, considera-se transmissão ou emissão “a difusão de sons ou de sons e imagens, por meio de ondas radioelétricas; sinais de satélite; fio, cabo ou outro condutor; meios óticos ou qualquer outro processo eletromagnético” . E a definição das obras protegidas abrange, sabiamente, no artigo 7º, “as criações do espírito, expressas por qualquer meio ou fixadas em qualquer suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente no futuro”; essa última expressão torna clara a preocupação do legislador com a imensa rapidez com que se criam novos meios de transmissão de informações, sem que isso signifique estarem os autores desprotegidos quanto ao que a lei chamou, quase poeticamente, de criações do espírito humano.

Especificamente em relação a informações veiculadas pela Internet, o mesmo artigo 7º, inciso XIII, estabelece como obras protegidas as coletâneas, compilações, antologias, enciclopédias, dicionários, bases de dados e quaisquer outras obras que, pela seleção, organização ou disposição de seu conteúdo, constituam uma criação intelectual. Claramente o meio eletrônico encontra-se enquadrado na lei 9.610/98, possibilitando em conseqüência a reivindicação dos direitos autorais violados.

Nesse sentido: “Os meios de comunicação ampliaram-se. Mas essa amplitude não pode justificar ou servir como elemento para violar o direito do autor. O espaço cibernético, por exemplo, não é um caminho livre e desocupado à disposição de todos e para tudo. Ele passa por portas delimitadas e perfeitamente controláveis” (A Nova Lei de Direitos Autorais”, 1988, Ed. Sagra Luzzato; PLINIO CABRAL, “apud” “A Internet e os direitos autorias”, revista “Panorama da Justiça”, MARCOS GOMES DA SILVA BRUNO e RENATO OPICE BLUM; página 14).

Na mesma obra citada, encontra-se ainda a lição seguinte: “A Internet é uma grande rede de computadores que permite a qualquer um deles entrar em comunicação com qualquer outro a ela conectado. A comunicação de todo tipo de criação intelectual entre as diversas pessoas recoloca com intensidade a importância da propriedade intelectual (..) O uso de uma obra qualquer na Internet que seja protegida pela legislação de “copyright” estará formalmente sujeita às regras de cada país e aos acordos e Convenções Internacionais” (JOÃO WILLINGTON e JAURY N. DE OLIVEIRA, “A Nova Lei Brasileira de Direitos Autorais”, 1999, Edit. Lúmen Júris, pág. 10/11).

No mundo cibernético onde a facilidade de encontro das informações pela Internet é muito fácil, a violação dos direitos autorais surge a cada instante seja uma fotografia retirada de um site e utilizada por outro meio de comunicação, uma música de formato MP3 adquirida por programas de compartilhamento de arquivos ou até mesmo um texto extraído do website. Ainda podemos falar na violação de dados gráficos e demais instrumentos de programação que podem ser copiados. Portanto, pode-se dizer que a Internet, hoje, é um dos maiores propagadores de violação dos direitos autorais no mundo.

Em relação a estas violações de propriedade, podemos dizer que gera, para o seu autor, a possibilidade de composição dos danos sofridos, à evidência tanto materiais como morais, e estes não só por decorrência da lei 9.610/98, mas já da Constituição Federal, artigo 5º, X. Ambos são danos patrimoniais, já que tanto na matéria (corpórea) como os bens morais (incorpóreos) constituem, em conjunto, nosso patrimônio em sua integralidade. De forma equivocada, a lei 9.610/98 aponta os direitos morais do autor e seus direitos “patrimoniais”, quando deveria ter dito direitos materiais, em contraposição aos morais.

Seja qual for, os danos morais sofridos pelo autor através da Internet – e não só o autor, como qualquer pessoa atingida em sua honra ou imagem por meios eletrônicos de transmissão de dados ou imagens – são passíveis de reparação por livre estimativa judicial, atento ao juiz à gravidade da culpa do ofensor e às conseqüências advindas da ofensa à vítima. Não é preciso prova de dano concreto, que na hipótese se presume, haja vista a publicidade inerente à veiculação das ofensas via Internet. E qualquer disposição contratual que impeça a indenização é nula, pois os direitos morais do autor são inalienáveis e irrenunciáveis (artigo 27).

Já os direitos materiais são arbitrados na forma prevista no artigo 102 e seguintes da lei 9.610/98. Importante, no que tange à Internet, o artigo 103, que estabelece a sanção de perda dos exemplares apreendidos e pagamento do preço dos que houver vendido, de obra literária, artística ou científica editada sem autorização do titular do direito autoral.

O mesmo se aplica à distribuição indevida e não autorizada de fonogramas, como disposto no artigo 104, ou à sua transmissão e retransmissão (artigo 105), hipótese que por certo protege o direito autoral em situações como a veiculação por MP3 ou pelo Napster de músicas sem o pagamento dos valores devidos aos donos das obras, ao intérprete e à gravadora. Na aparência, ao menos, a legislação brasileira encontra-se mais autorizada, e mais previdente, do que a norte-americana.

Frise-se que toda a proteção estabelecida nos artigos citados abrange não apenas as obras físicas, como livros ou CD’s, mas também as obras virtuais, já que, como antes dito, qualquer criação do espírito humano é passível de proteção ao seu autor (dano moral) ou ao autor ou titular da obra (danos materiais).

O que inclui, em suma, e amplamente, a veiculação de informações ou obras pela Internet, ocasionando para o ofensor a responsabilidade civil, material e moral, dos danos que venha a causar por via da rede mundial de computadores. Enquadrada, conclui-se, na lei 9.610/98.

Por outro lado, temos uma ressalva quanto ao direito patrimonial do autor.  De acordo com a lei 9.610/98, o direito de propriedade é absoluto, todavia, exerce funções sociais referentes à sua utilização, portanto, o seu uso é ilimitado. Nos artigos 46 a 48 da Lei há inúmeras situações que o autor não tem o controle absoluto sobre sua obra. Isso se dá porque o princípio maior é de que haja um garantia ao desenvolvimento nacional, através da informação, para garantir a cultura, educação e ciência. Com isso, muitas vezes a Lei de direitos autorais se depara com situações em o direito do autor deve estar de forma harmônica com a função social da propriedade, ou seja, o interesse coletivo está sobreposto ao interesse individual. Portanto, nestes casos, o autor da obra poderá se ver em situações que sua obra poderá estar sendo divulgada sem sua autorização, porém, tudo dentro de uma previsão legal.


LUCCA, Newton de, SIMÃO FILHO, Adalberto, etc. Al. Direito & INTERNET – aspectos jurídicos relevantes. Editora Edipro. 1ª Edição, São Paulo, 2000, Pág 438.

LEVADA. Cláudio Antônio Soares. Direitos autorais na Internet. <www.widebiz.com.br>- acesso em 24/04/2001




Críticas ou sugestões sobre este conteúdo? Clique aqui.