TST - AIRR - 2392/2002-242-02-40


07/nov/2008

AGRAVO DE INSTRUMENTO. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL. NÃO PROVIMENTO. 1. Na hipótese, verifica-se que os arestos transcritos para o cotejo de tese não se prestam ao fim colimado, porquanto oriundos de turma do Colendo TST, órgão na relacionado no artigo 896, a , da CLT. 2. Não bastasse, observa-se que o egrégio Tribunal Regional, com base nas provas carreadas aos autos, concluiu que o obreiro trabalhava exposto a alta tensão, razão porque teria direito ao pagamento do adicional de periculosidade, decidindo, desse modo, em consonância com a Orientação Jurisprudencial nº 324 da SBDI-1.

Tribunal TST
Processo AIRR - 2392/2002-242-02-40
Fonte DJ - 07/11/2008
Tópicos agravo de instrumento, adicional de periculosidade, divergência jurisprudencial.

Cadastre-se gratuitamente para acessar a íntegra deste acórdão  ›