TST - RR - 1505/2002-003-22-00


25/fev/2005

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. BASE DE CÁLCULO. A jurisprudência deste Tribunal, consubstanciada na Orientação Jurisprudencial nº 278 da SDI, é de que, segundo a exegese do art. 1º da Lei nº 7.369/85, o adicional de periculosidade dos eletricitários deverá ser calculado sobre o conjunto de parcelas de natureza salarial", entendimento este ratificado pela recente redação imprimida ao Enunciado nº 191/TST (Resolução nº 121/2003, DJ 21/11/2003), exarado nos seguintes termos: O adicional de periculosidade incide apenas sobre o salário básico e não sobre este acrescido de outros adicionais. Em relação aos eletricitários, o cálculo do adicional de periculosidade deverá ser efetuado sobre a totalidade das parcelas de natureza salarial. Desse modo, não se vislumbra o alegado conflito pretoriano ou a pretensa violação legal e constitucional, a teor do Enunciado nº 333 desta Corte, cujos precedentes foram alçados à condição de requisitos negativos de admissibilidade da revista, por injunção do art. 896, alínea a e § 4º, da CLT. Recurso não conhecido. HONORÁRIOS ADVOCATÍCOS. Apesar de o Regional ter consignado que o deferimento das verbas honorárias decorriam da sucumbência e do disposto no artigo 133 da Constituição, não chegou a registrar se o autor percebia ou não salário inferior ao dobro do mínimo legal ou prestara declaração de miserabilidade nos autos, em condições de deflagrar o não-conhecimento do apelo, por conta do disposto no Enunciado nº 297/TST. Recurso não conhecido.

Tribunal TST
Processo RR - 1505/2002-003-22-00
Fonte DJ - 25/02/2005
Tópicos adicional de periculosidade, base de cálculo, a jurisprudência deste tribunal,.

Cadastre-se gratuitamente para acessar a íntegra deste acórdão  ›