STJ - REsp 475627 / RS RECURSO ESPECIAL 2002/0142040-9


10/mar/2003

TRIBUTÁRIO E PROCESSO CIVIL. EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. ADESÃO AO
REFIS. EXTINÇÃO. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS INDEVIDOS. LEIS NºS
9.964/2000 E 10.189/2001. PRECEDENTES.
1. Não há amparo jurídico para interpretar legislação tributária que
tem por finalidade conceder um favor fiscal ao contribuinte, como é
o caso que permite a sua adesão ao programa REFIS, que conduz a
agravar, financeiramente, o devedor, com a imposição de assumir o
pagamento de honorários advocatícios, mesmo em causa tramitando em
juízo, por ter que desistir desta para que possa regularizar a sua
situação.
2. O contribuinte, ao aderir ao REFIS, pretende regularizar a sua
situação fiscal. Exigir mais verba honorária na fase da desistência
obrigatória dos embargos, para ser possível a aludida adesão, além
de ir de encontro ao pretendido pela legislação que outorgou o
mencionado benefício, é exigir-se, duplamente, a verba honorária.
3. A Lei n º 10.189/2001 não é aplicável na esfera judicial quando
há desistência de embargos à execução para adesão ao programa do
REFIS. O art. 5º, § 3º, que fixa o limite de 1% referente a
honorários advocatícios, remetendo ao § 3º, do art. 13, da Lei nº
9.964/2000, rege-se, tão-somente, à composição amigável na via
administrativa.
4. Precedentes da egrégia Primeira Turma desta Corte Superior.
5. Recurso provido.

Tribunal STJ
Processo REsp 475627 / RS RECURSO ESPECIAL 2002/0142040-9
Fonte DJ 10.03.2003 p. 136 RJADCOAS vol. 45 p. 86
Tópicos tributário e processo civil, embargos à execução fiscal, adesão ao refis.

Cadastre-se gratuitamente para acessar a íntegra deste acórdão  ›