Princípio da Insignificância ou Bagatela


17/nov/2014
 
Histórico de atualizações deste conteúdo
17/nov/2014 Revisão geral. Este material não sofreu alterações até esta data.
03/ago/2013 Publicado no DireitoNet.

Originário do Direito Romano, e de cunho civilista, funda-se no conhecido brocardo de minimisnon curat praetor (o pretor não cuida de coisas pequenas). Isso significa que o Direito não deve preocupar-se com condutas incapazes de lesar o bem jurídico. No sistema penal, os tipos incriminadores exigem um mínimo de lesividade, ou seja, condutas totalmente inofensivas ou incapazes de lesar o interesse protegido não são de grande relevância. Sempre que a lesão for insignificante, incapaz de ofender o bem tutelado, não haverá adequação típica. O Superior Tribunal de Justiça tem reconhecido a tese da exclusão da tipicidade nos chamados delitos de bagatela, aos quais se aplica o princípio da insignificância. Por sua vez, o Supremo Tribunal Federal assentou que algumas circunstâncias devem estar presentes para seu reconhecimento: mínima ofensividade da conduta do agente; nenhuma periculosidade social da ação; reduzidíssimo grau de reprovabilidade do comportamento; e inexpressividade da lesão jurídica provocada que devem orientar a aferição do relevo material da tipicidade penal. Mas não existe uma regra, pois o entendimento doutrinário sobre o tema sofre constantes alterações. Contudo, não se deve confundir delito insignificante ou de bagatela com crimes de menor potencial ofensivo e contravenções penais que não são, a priori, insignificantes.

Fundamentação:

Temas relacionados:

Referências bibliográficas:

Veja mais sobre Princípio da Insignificância ou Bagatela no DireitoNet.

Histórico de atualizações deste conteúdo
Críticas ou sugestões? Clique aqui
17/nov/2014 Revisão geral. Este material não sofreu alterações até esta data.
03/ago/2013 Publicado no DireitoNet.